segunda-feira, 20 de outubro de 2008

"Homens que são como lugares mal situados"

Há dias assim, que nos escolhem para nos fazer pensar, reflectir, chorar, repensar e rir ...como hoje.
Há precisamente quatro anos entrei numa livraria desta terra que me acolhe e de repente ali estava o livro, este livro "Homens que são como lugares mal situados" . Naquela data foi um autêntico recado, um convite a mergulhar nas dores através de outros olhos .É sabido que tenho paixão pelas palavras, sobretudo porque são sempre um caminho, embora nem sempre saibamos onde nos levam.
Hoje voltei ao livro e não resisto a colocar aqui numa colagem livre, O autor precocemente falecido perdoar-me ia a ousadia, pois a poesia leva-nos nos trilhos de quem escreve ao íntimo de quem lê.

"...Homens que são como lugares mal situados
Homens que são como casas saqueadas
Que são como sítios fora dos mapas
Como pedras fora do chão
como crianças órfãs
Homens sem fuso horário
Homens agitados sem bússola onde repousem(...)


(...)Homens que são como danos irreparáveis
Homens que são sobreviventes vivos
Homens que são como sítios desviados
do lugar(...)

(...)Homens que são como projectos de casas
Em suas varandas inclinadas para o mundo
Homens nas varandas voltadas para a velhice
Muito danificados pelas intempéries

Homens cheios de vasilhas esperando a chuva
Parados à espera
de um companheiro possível para o diálogo interior



... in Daniel Faria


Amanhã será outro dia , em que não pararemos talvez para o tal diálogo interior.

Um comentário:

Jose disse...

ana, o texto está soberbo,e naturalmente necessita de uma análise de minha parte, mais profunda de qualquer modo PARABÉNS,fico muito orgulhoso de ti